sábado, 19 de abril de 2008

Relações de ventilação-perfusão



Esta figura mostra, esquematicamente, cinco unidades alvéolo-capilares em situações diferentes de V/Q e as concentrações de oxigênio após a hematose. (modificado de John B. West, Fisiologia Respiratória Moderna, 5ª ed.). As duas extremas (shunt e espaço morto) foram adicionadas por mim.

1- A unidade do centro mostra uma V/Q = 1 (normal), podemos ver que o sangue venoso ao chegar no alvéolo, que tem ventilação adequada, realiza a troca gasosa normalmente.

2- A unidade da esquerda representa "efeito shunt" (V/Q= 0), nela o sangue venoso que chega ao alvéolo colapsado segue adiante sem que tenha realizado qualquer troca gasosa.

3- Na unidade com V/Q= 0,1, a troca gasosa ocorre parcialmente uma vez que a ventilação alveolar está muito reduzida e a perfusão normal.

4- A unidade à direita da NORMAL, mostra uma V/Q = 10, neste caso há uma ventilação normal porém a perfusão está diminuída devido a uma obstrução parcial do capilar alveolar.

5- A última unidade representa o espaço morto (V/Q = infinito), neste caso a ventilação ocorre normalmente, mas nenhuma perfusão acontece devido a uma completa obstrução do capilar alveolar.

Nas unidades shunt e baixa V/Q ocorre uma vasoconstricção do capilar alveolar em virtude da hipóxia alveolar. Este mecanismo minimiza a hipoxemia, uma vez que promove o desvio de parte do sangue venoso para outra unidade com melhor V/Q.

Abraços a todos!

3 comentários:

Haroldo Falcão disse...

Olá Daniel. Parabéns pelo blog. De fato, as principais anormalidades do sistema respiratório, vistas sob uma perspectiva puramente funcional, acabam por se resumirem, em última instância, à duas condições: hipoventilação ou distúrbio VA/Q. É um conceito fundamental para o estudante e para o intensivista. Grande abraço,
Haroldo.

Thaise Sanches disse...

Oi Daniel!
Muito boa sua iniciativa de transmitir e trocar informações sobre esse assunto tão interessante que é a terapia intensiva, aqui em seu blog. Virei visitar com frequencia.

Beijos Thaise

vera disse...

COMO SSE FAZ O CÁLCULO DA INJÚRIA PULMONAR?